Após a morte da adolescente de origem cigana Hyara Flor Santos Alves, de 14 anos, circularam na internet publicações que divulgavam uma recompensa de R$ 300 mil para quem encontrasse o suposto autor do crime. O pagamento teria sido oferecido pelo pai da vítima, o autônomo Hiago Silva, 30, que negou a informação por meio de um vídeo publicado em seu perfil no TikTok por volta das 19h desta segunda-feira (10).

“Eu não ofereci dinheiro pela cabeça de ninguém”, defende-se Hiago. “Agradeço à população brasileira, que se comoveu com a morte da minha filha. A gente quer justiça. Isso, sim”, enfatiza o homem.

Hyara foi morta na quinta-feira (6), em Guaratinga, no extremo-sul da Bahia, com um tiro no queixo. Em entrevista ao CORREIO, a advogada Janaína Panhossi falou que o esposo da vítima, também de 14 anos, é apontado pela família dela como o principal suspeito do crime, que teria sido motivado por vingança. Ele e o sogro da menina fugiram depois do ocorrido, e ainda não foram encontrados.

“Eles [a família] afirmam que havia um caso extraconjugal entre a sogra de Hyara e um tio por parte de pai”, revelou Janaína, que também detalhou que os adolescentes — casados havia somente 40 dias — eram primos. “O sogro de Hyara, então, teria induzido o filho a atirar na esposa”, concluiu.